Arquivo da categoria: Livre Pensar, Filosofia, Papo de Boteco

“Nós” e “Eles”

moisespescadorO Brasil é o único país do mundo onde a população está dividida em duas metades: “nós” e “eles”. O incrível é que se somarmos as duas metades o resultado é o dobro da população!? Os “nós” e os “eles” não se misturam, pois não são farinha do mesmo saco. “Nós” somos legais, hospitaleiros, divertidos, criativos, prontos para ajudar, inteligentes, honestos, trabalhadores, estudiosos, cultos, amigos, colaborativos, leais, respeitadores, enfim, “nós” somos o fino da bossa, como se dizia no tempo do Tom Jobim. Se o Brasil fosse populado apenas pelos “nós” seriamos um país de primeiro mundo, quem sabe líderes globais, à frente de USA e China.

Continuar lendo “Nós” e “Eles”

Anúncios

Gênio, ou tranquilão, quem é “o cara”?

IEO que Steve Jobs, Richard Branson e Bill Gates têm em comum? Além de serem bilionários, todos foram maus alunos (Steve e Branson nem se formaram). Estamos aqui fazendo a apologia “Lulistica” da inutilidade do estudo? De jeito nenhum. Muito pelo contrário, nos dias atuais um diploma de graduação é pouco, pois a maioria chega aos head hunters já ostentando seus diplomas de MBA.

Porém, apenas estudar não garante o sucesso profissional, muito menos nossa realização como seres humanos. Bons alunos são feitos de QI elevado + esforço. Já os profissionais de sucesso, em sua imensa maioria, são os que têm QE (Quociente de Inteligência Emocional) mais elevado. Na minha turma de Engenharia os que tiveram maior sucesso profissional eram quase todos da “turma do fundão” (da classe).

Continuar lendo Gênio, ou tranquilão, quem é “o cara”?

e-Jovens

imageOs jovens do século XXI vivem em rede. Meu sobrinho (e afilhado) e sua namorada, ambos de 26 anos, moram em Berlim. Eles são “e-jovens”. Apesar de não terem o comportamento obsessivo dos jovens brasileiros, que checam FB e e-mail no cinema e na academia, o Pedro e a Mariane dependem totalmente dos seus smartphones para viverem. Suas vidas são direcionadas pelos apps do iPhone e pelas redes sociais (virtuais e físicas). Conviver por dois dias com esses dois jovens brasileiros, que vivem como europeus, foi para mim uma lição de vida.
O Pedro se formou em Tecnologia da Informação aos 22 anos, mas iniciou sua atividade profissional, como um empresário de e-commerce, ainda durante a faculdade, aos 19 anos. Em parceria com outro jovem, o Pedro fundou uma empresa de e-commerce para vender livros jurídicos pela Internet. Ele e seu sócio, além de programar, vendiam, faturavam, cuidavam da logística e do recebimento. Terminando a universidade, o Pedro iniciou sua pós-graduação.
Aos 23 anos ele foi convidado para trabalhar como desenvolvedor de e-commerce da UOL e aos 24 anos se transferiu para a Rocket (uma empresa global de venture capital, especializada em incubar negócios de e-commerce), para atuar na exportação de sistemas para as novas empresas sendo incubadas no Brasil. Algum tempo depois ele foi convidado pela maior concorrente de seu empregador para ser o  lider de desenvolvimento, baseado em Berlim, com o mesmo objetivo anterior, mas agora com responsabilidade por toda a América Latina. Nesse momento o Pedro sentiu que a coisa iria longe e convidou a Mari para se mudar com ele para Berlim. A Mari é advogada e, coincidentemente, já estudava alemão.

O Fluxo

riverflowTrechinho de um post mega legal do Stef Lewandowski no blog Medium.com:

“Existem dias onde os astros se alinham para prover um ambiente perfeito para nossas realizações. Nesses momentos a gente se sente poderoso, capaz de tudo, absolutamente o melhor. Parece que somos parte de um fluxo, onde podemos fazer coisas em segundos, que normalmente levariam horas. Nessas ocasiões os movimentos de nosso corpo e os pensamentos mais complexos se tornam naturais e fáceis, como cortar manteiga. Todo trabalho se torna agradável, seus resultados são de alta qualidade e o sentimento de realiza-lo é de puro prazer.”

Continuar lendo O Fluxo

O tempo e o vento

sushi

Vou dividir este post em 2 partes, até para tornar a leitura mais palatável. O tema é o tempo e o uso, bom ou mau, que fazemos dele.

O TEMPO

Gente eu ando sufocado pela impossibilidade concreta de fazer tudo que eu preciso, pra não falar do que eu gostaria. Tem mil desculpas, desde o trânsito até minha falta de disciplina. Mas, eu não creio que esteja isolado em minha neura. O estresse da falta de tempo é uma síndrome coletiva do século XXI. Será que o tempo está encurtando em nossas vidas para nos forçar a tomar decisões que por muito tempo temos adiado… Filosofemos um pouco juntos.

Defina tempo. Cada um pode escolher sua definição e eu tenho a minha. O tempo é o espaço que nos separa das consequências de nossos atos, ou que nos separa de eventos em função das circunstâncias. Uma indecisão é uma decisão. Se você bobeia quando a cestinha de sushi passa, vai ter que esperar uma volta inteira para alcança-la de novo, ou seja, pela sua indecisão você criou artificialmente tempo entre você e o prazer de degustar seu sushi favorito. Onde está a cestinha de sushi: no presente, passado, ou futuro? Está nas três dimensões, ao mesmo tempo.

Continuar lendo O tempo e o vento

Kaballah Bits (11)

consciencia796216“O Poder da Kabbalah 2” – 1a. aula

NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA

Estou iniciando uma série de 10 aulas do K2, “O Poder da Kaballah 2”. Resumo abaixo a 1a. dessas 10 aulas.

No K1 aprendemos os principais conceitos da Kaballah, coisas como: Luz Infinita e Receptor, os mundos do 1% e dos 99%, o Oponente, Tikun, compartilhamento, reação vs pró-atividade, etc. No K2 o principal objetivo é melhorar nosso nível de consciência.

As pessoas em geral têm medo de melhorar seu nível de consciência. Isso porque uma vez conscientes não poderemos negar o mal que nossas ações podem causar a nós mesmos e ao mundo à nossa volta. Quem está consciente de seus erros não tem como fingir que não entende suas implicações. Isso significa que a maioria das desculpas para comportamentos inadequados descerão pelo ralo…

Continuar lendo Kaballah Bits (11)

O BARQUEIRO

Drift_boat_aka_Mckenzie_River_dory

O rio é muito bonito, mas também perigoso, com muitas pedras e corredeiras. E são muitos, muitos, os barqueiros que diariamente o enfrentam. Todos querem chegar ao final de seu curso, embora nenhum deles saiba onde o rio desagua.

Dentre os barqueiros existem aqueles que se distraem com a linda paisagem de florestas e céu azul, sendo pegos de surpresa pelas pedras, pelas corredeiras e mesmo pelas súbitas tempestades, tão comuns na região do rio.

Outros barqueiros se sentem tão amedrontados com os riscos, que simplesmente não desfrutam da experiência, se mantendo sempre próximos das margens. E existem também aqueles que, mesmo sabendo dos riscos, descem o rio corajosamente, mas desfrutando a paisagem, ao mesmo tempo em que prestam atenção nas pedras. Estes são poucos, muito poucos. E, incluindo estes últimos, cedo ou tarde todos terão que enfrentar os desastres do rio.

Continuar lendo O BARQUEIRO