MOMENTOS FELIZES

happinessEu adotei a prática da meditação (transcendental) há muito tempo. Até dez anos atrás eu conseguia manter a rotina de 20 minutinhos de meditação diária. Depois, por preguiça e relaxamento, perdi a regularidade. Às vezes, quando o calo aperta, ou simplesmente quando tenho vontade, relaxo no meu cantinho favorito e faço meus minutinhos de meditação.

Hoje foi um desses dias em que eu estava no mood. Durante a meditação sempre passa um filminho em minha mente. O de hoje foi sobre os momentos felizes que vivi desde a infância até o presente. À medida em que revivia esses momentos, um script foi surgindo em minha mente. Quando finalmente abri os olhos resolvi anotar tudo que foi projetado na minha telinha interior. É o que agora trancrevo para vocês.

“Pense em sua vida, desde o nascimento até agora. Quantos momentos felizes você já teve? Certamente muitos, mas provavelmente fugazes. Eu me lembro de alguns desses momentos. Um passeio de mãos dados numa praia de areia fininha, um sorvete com seu filho numa tarde quente de verão, um beijo na namoradinha da adolescência numa noite de lua, uma tarde de churrasco e cerveja com os amigos, etc, etc. Cada um vai lembrar dos seus.

O que esses momentos têm em comum, além de serem fugazes? São sempre situações simples. Dificilmente você vai rotular como um momento iluminado um grande negócio que fechou, uma promoção, uma herança, ou uma vitória contundente sobre um desafeto. Esses são momentos intensos, mas que se vão sem deixar traços em nossa mente.

Outra característica dos momentos felizes é que são sempre compartilhados. Tem sempre alguém ao nosso lado para testemunhar um momento de extrema felicidade. Esse compartilhar pode se dar apenas por um olhar, um sorriso, ou um simples estar junto. Não que momentos de solidão sejam ruins, mas tente fazer um churrasco sózinho, ou uivar para a lua cheia sem ninguém ao lado. Não vai ter muita graça…

A pergunta que me faço é: se o que nos faz feliz é tão simples, por que esses momentos são tão raros, a ponto de podermos catalogá-los ao longo da vida? Porque geralmente estamos desatentos e deixamos as oportunidades passarem. E quem nos distrai é o ego, que todo o tempo procura satisfazer desejos só para sí. Quando tentamos reter uma situação de felicidade só para nós, ela imediatamente vira fumaça. Imagine que você está numa praia, com alguém ao lado, olhando as nuvens esparsas de um céu azul. De repente você começa a enxergar na nuvem a figura incrível de uma linda mulher. Compartilhe a imagem com a pessoa ao lado, que verá uma outra nuance e ambos vão reter esse momento para sempre em suas mentes. Guarde a imagem só para sí e cinco minutos depois você já terá se esquecido dela.

Na verdade, os momentos felizes são aqueles em que compartilhamos um pouco de nossa luz com alguém mais. Não necessariamente com o amor de nossas vidas, com um familiar, ou um amigo. Muitas vezes compartilhar luz com um estranho pode ser muito mais realizador do que faze-lo com alguém que amamos.

A verdade é que retemos essa luz, egoisticamente, ao longo de toda a nossa vida. E isso não ocorre apenas por egoismo. Muitas vezes temos mêdo de compartilhar, por receio do julgamento alheio, de incorrer no ridículo, temos mêdo de errar, mêdo de decepcionar, mêdo, mêdo… E, queiramos ou não, o mêdo representa o ego no controle. Para nos liberarmos progressivamente e aumentarmos o número de momentos felizes em nossas vidas é preciso abrir o coração para o mundo, de forma humilde e transparente.

Nada que sai do coração é errado, pois lá se abriga, escondidinha, a chama de Deus. Essa chama oculta é como uma fogueira apagada, que não iluminará o céu. Deixe transparecer para a pessoa ao lado o que está sentindo. Talvez alguns não o entendam, talvez até riam de você… e daí? Se isso ocorrer será melhor ainda, pois o ego pisoteado gera mais luz.

Resumindo, o segredo da felicidade contínua está na espontaneidade e na coragem de expressar o que sentimos. Sempre respeitando as pessoas e as opiniões diferentes, mas expressando quem somos. Não é difícil, mas exige atenção e prática constante. Experimente e aumente em muito sua coleção de momentos para recordar no final da jornada.”

Bem, foi esse o filiminho que passou por minha mente durante a meditação de hoje. Se eu sou o autor, não sei, mas fui eu que digitei.

Anúncios

2 opiniões sobre “MOMENTOS FELIZES”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s