KABBALAH BITS (4)

{1CCCE~1

“O PODER DA KABBALAH”

AULA 3 – OS 5 PASSOS PARA UMA ATITUDE PRÓ-ATIVA (PASSOS 1 A 3)

Vimos anteriormente que nossa natureza é reativa. A grande questão é, portanto, o que fazer para nos tornarnos mais pró-ativos? Entenda-se que alguém plenamente pró-ativo todo o tempo seria um ser perfeito, com asas nas costas e certamente não habitaria mais esse nosso planetinha…

Tomemos uma lâmpada como analogia. Ela tem dois polos que querem se unir, mas entre eles existe uma resistência. Essa resistência, que interliga eses polos, é quem define a quantidade de luz que será revelada. A resistência ao mesmo tempo que une oferece um obstáculo à corrente elétrica. Sem esse obstáculo ocorreria um curto circuito, gerando uma luz instantânea e excessimente brilhante, mas de curta duração. O curto circuito sempre é seguido  da escuridão.

Também em nossas vidas podemos produzir curto circuitos. Quando exageramos no atendimento egoístico de nossos desejos (por exemplo quando nos drogamos) temos um pico de luz, seguido de depressão, muita escuridão. O dia seguinte sempre sera um baque. Existem outras formas de curto circuitos mais sutis: ficar zangado, furar filas, se impacientar, procrastinar, mentir, etc. Curto circuito significa fugir das nossas responsabilidades imediatas, o que proverá uma luz forte e momentâna, mas depois nos puxará para baixo.

O inverso do curto circuito é o “longo circuito”, que é o ato de oferecer resistência à tentação das soluções fáceis. Resistir não significa falar sempre não a todo e qualquer impulso que tenhamos. Resistir significa frear um pouco nossas tendências inatas, que na maioria das vezes não são boas. Lembre-se que segundo nossa natureza reativa, gostamos de deixar o oponente tomar o controle para depois chorar sobre o leite derramado. Para se ganhar uma corrida, saber quando e onde frear é mais importante do que saber acelerar. O Rubinho que o diga…

Os Cabalistas propõem alguns passos para controlar nossa reatividade.

PASSO 1: PARAR

Quando somos reativos atuamos sem controle, funcionando como robôs. Pensamos que somos livres, mas na verdade fomos moldados, pelos pais, pela escola, pelos amigos, pela sociedade. Reagimos com base em estereótipos que nos são estampados ao longo da vida. Quando paramos pelo menos não reagimos de imediato e assim cortamos a chance do oponente nos empurrar na direção errada.

PASSO 2: PENSAR

Quando paramos nos damos o tempo e a oportunidade de pensar. 90% do que pensamos hoje, é a mesma coisa que pensamos ontem. E 90% de tudo que pensamos é sempre limitante, ou negativo. Adoramos nos justificar dizendo “eu não sou assim, eu não sou assado, eu não fiz isso, eu não sou culpado disso, etc”, que é o tipo de tirada que a gente vive repetindo para fugir da responsabilidade pelos nossos atos.

Para pensar adequadamente deveriamos sempre nos questionar:

  1. Quem sou eu? A resposta certa é: eu sou o criador do meu universo, responsável único por tudo que acontece na minha vida.
  2. Se é assim, por que coisas ruins me acontecem? Tudo que acontece nas nossas vidas vem para o bem, para nos ajudar a crescer.
  3. E como serei feliz com o que me acontece, apesar de parecer ruim? Pensando que as consequências reais do que nos acontece estão sempre distantes de nossa percepção imediata, que às vezes é dolorosa. Importante nesse momento é lembrar que se não aprendemos com uma situação dolorosa agora, vamos vive-la novamente no futuro, pois as lições terão que ser aprendidas cedo ou tarde. A isso os Cabalistas denominam Tikun (nossos pesadêlos recorrentes).

A vitimização nos destrói, nos mata, desperdiça valiosas oportunidades de aprendizado. SER FELIZ É UMA ESCOLHA! Ponto.

PASSO 3: ACHAR O OPONENTE

O nosso oponente sempre está aqui e agora, embora sutilmente Escondido da  gente. A Cabala nos ensina a achar o componente. Ele se oculta nas áreas cinzentas das nossas mentes, tentando nos confundir permanentemente. O oponente nos conhece melhor do que nós próprios e por isso ele se esconde tão bem. Na batalha contra o oponente vale lembrar que ele não tem força própria; ele ganha jogando nós contra nós próprios.

O oponente é como um virus de computador, que é virtual mas existe e precisa ser encontrado para ser combatido. Como encontramos o oponente? Analisando o filme da nossa vida. Todas as situações que ocorrem em nossas vidas são indicadores de nossas fraquezas, que na verdade caracterizam nosso oponente. Nossa vida é feita de padrões, onde quer que estejamos. Esses padrões nos qualificam e por tabela nos mostram como é nosso oponente.

Suponha que o filme de sua vida mostre um cara sempre teimoso e resistente a mudanças. Esse é o oponente, que deve ser inseguro e medroso. Portanto, para derrotá-lo teremos que enfrentar situações novas e desafiadoras, mesmo que com mêdo, pois pouco a pouco a certeza virá e começaremos a vencer as batalhas.

Se achar nosso oponente significa entender nossas limitações e fraquezas, o que não é tão difícil, enfrentar e vencer essas fraquezas é que é “o X da questão”. Dos 3 passos, esse é definitivamente o mais difícil.

Algumas regrinhas simples nos ajudarão. Primeiro sejamos felizes, qualquer que seja a situação que estejamos vivendo. Entender o porque das coisas momentaneamente não é tão importante quanto saber que está tudo certo.  Simplesmente enfrente as situações com certeza em seu coração. Até porque o processo de descoberta do porque de tudo que nos acontece pode ser longo.

Imagine que leve 10 anos para cair a ficha sobre o porque de alguma coisa aparentemente ruim que está te acontecendo. Você vai esperar 10 anos para ser feliz?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s