KABBALAH BITS (3)

Lobo-Carneiro-A


“O PODER DA KABBALAH”

AULA 2 – O OPONENTE, ATIVO X PASSIVO, REATIVO X PRÓ-ATIVO, MÉRITO, A NATUREZA REATIVA DO RECEPTOR

No post anterior eu mencionei que é da natureza da Luz Infinita compartilhar sempre. Para que isso seja possível, sua primeira criação foi um Receptor Infinito, que tem um desejo infinito de receber. Mas, como vimos também anteriormente, receber sem ter com quem trocar, compartilhar, significa o Pão da Vergonha, que tira toda a alegria de quem recebe.

Assim, de alguma forma o Receptor Infinito precisava “abandonar a casa do pai” para ter mérito no recebimento. Imaginem que o Bill Gates tenha um filho, o Tommy Gates, inteligente e super bem preparado para suceder seu pai como CEO da Microsoft. Seria impossível ao próprio Bill aparecer um dia com o Tommy na empresa e nomea-lo o novo CEO, pois a falta de mérito do garoto o destruiria. Assim como o filho do Bill teria que começar por baixo e ascender gradualmente, o mesmo se aplica ao Receptor Infinito.

Mas, o mérito está relacionado ao esforço e se a Luz Infinita compartilha sem nada pedir em troca, como resolver o impasse?  Aí veio a segunda criação da Luz Infinita que é, se assim podemos dizer, a Escuridão. A Escuridão não é a ausência de Luz, mas um bloqueio, um obstáculo a ser vencido entre a Luz e o Receptor. A criação desse obstáculo cria para o Receptor a ilusão de que a Luz sumiu, quando na verdade ela está ali, onde sempre esteve e sempre estará.

Caberá ao Receptor agora se esforçar para fazer “furinhos” nesse bloqueio e cada vez que isso acontece ele sai do âmbito do 1% e adentra os 99%. Deduzimos daí, que se o esforço do Receptor for continuado, um dia ele fará tantos furos no bloqueio que este se dissolverá e ele voltará a ter acesso infinito à Luz. Quer dizer que voltaremos ao dilema partida, do Pão da Vergonha? Não, porque desta vez terá havido merecimento por parte do Receptor.

O bloqueio entre a Luz e o Receptor é chamado pelos Cabalistas de o Oponente, que em hebraico corresponde a palavra Satã (que significa desviar). Só que, diferentemente do que acreditamos por muitos milenios, esse inimigo terrível não está fora e sim faz parte do Receptor. Todos os problemas que no conjunto denominamos como o Oponente (inveja, egoismo, usura, ódio, mêdo, etc) foram criados por nós mesmos, com o objetivo de lutar contra eles, compartilhando e criando mérito para receber a Luz.

O Satã é nosso ego, que nos motiva continuamente a receber egoisticamente, sem compartilhar. Ou seja, o Oponente quer que a gente receba o Pão da Vergonha e faz conosco acordos “faustianos”. Daí que a ideia de vender a alma ao diabo não é de todo fantasiosa. Satã cria ilusões com um único grande propósito (que dispara os demais comportamentos negativos): nos meter mêdo. Mêdo em ingles se escreve FEAR (False Evidence Appearing Real). Assim, no resumo do resumo, nosso mêdo é o grande inimigo a ser combatido. Mêdo do julgamento alheio, mêdo de perder algo, mêdo da derrota, mêdo da doença, da morte, mêdo, mêdo, mêdo!!!

Quando temos mêdo nos tornamos Reativos. A Luz é Passiva (quer se doar sempre e mais nada) e o Receptor é Ativo, reagindo o tempo todo em busca do auto-preenchimento (comida, sexo, sabedoria, dinheiro, etc). Nesse ponto surge uma palavra que é a chave para entendermos o processo de criação de mérito pelo Receptor. Essa palavra é Resistência. O Receptor precisa estar continuamente atento para resistir à sua tendência automática de reagir em busca de preenchimento.

O grande desafio para o Receptor é sair do modo Reativo e se tornar Pró-Ativo. Somos Pró-Ativos quando direcionamos nossa vida. Somos Reativos quando não estamos no controle, e nesse caso quem está é sempre o Oponente. Exemplo: quando alguém nos agride a reação automática é devolver a bordoada e nesse caso nosso adversário nos guiou. Se, por outro lado, respondermos à agressão com um sorriso inesperado, ou com um pedido de desculpas, vamos desarmar o oponente e quem estará no controle, pró-ativamente, seremos nós.

Nossa natureza é reativa, nos induzindo sempre à resposta automática que via de regra leva aos comportamentos egoistas. Só seremos pró-ativos quando aprendermos a ir contra a nossa natureza e isso é muito difícil. Nós tendemos a reagir porque muitas coisas nos incomodam. Experimente fazer uma lista de seus incômodos e facilmente você chegará a seus defeitos. Esse é um exercício danado de difícil, pois requer de nós um nível de sinceridade e auto-crítica que também vão contra nossa natureza.

Podemos definir milagre ao ato de superar nossa natureza reativa. Sim, porque quando não reagimos ao mêdo nos tornamos novamente um pedacinho da Luz e aí tudo podemos (literalmente tudo MESMO). A pergunta de 1 milhão de dólares é: como nos tornarmos continuamente pró-ativos?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s