Steve Jobs, esse famoso desconhecido

Vocês sabem quem é esse cara? É o Steve Jobs, nos seus vinte e poucos anos. Eu sou fã do dele, de carteirinha. Não apenas por sua genialidade, mas também pelo lado obsessivo de sua personalidade. Estas são minhas frases favoritas, ditas pelo Steve Jobs. Elas definem bem sua personalidade:

“Artistas de verdade entregam”, dita por Steve Jobs num encontro da equipe responsável pelo Macintosh em 1983, quando percebeu que o projeto estava atrasado e não seria terminado nem no ano seguinte.

“Mantenha-se sempre faminto e ignorante”

“As pessoas não sabem o que querem, até que você mostre a elas.”

Esse é o Steve Jobs, controlador, curioso profissional e obsessivo pela vida, embora sem medo da morte. Ao que tudo indica ele está mesmo morrendo.  Recentemente, o tablóide National Enquirer publicou imagens do executivo bastante abatido entrando no Centro de Tratamento de Câncer de Stanford, na Califórnia. O assunto chegou à bolsa de valores, onde as ações da companhia registraram queda de 1%.

De posse das fotos, o jornal americano ouviu o parecer de um médico sobre a saúde de Jobs. “Julgando pelas fotos, ele está próximo do estado terminal. Eu diria que ele tem mais seis semanas”, disse o Dr Samuel Jacobson. Jobs convive com a morte já há algum tempo. Em 2004 ele recebeu o diagnóstico de câncer no pâncreas. Em julho do mesmo ano, passou por cirurgia para a remoção do tumor. Há exatamente um mês, os funcionários da Apple receberam uma circular informando o afastamento de seu CEO, por razões médicas. É a terceira vez em sete anos que Jobs se afasta dos negócios por motivos de saúde. No lugar dele, o vice-presidente operacional da empresa, Tim Cook, comanda o dia a dia da Apple.

Quando a morte se aproxima dos grandes líderes o mundo acorda e começa reverenciá-los. Artigos e livros são publicados e as pessoas se interessam por saber o que se passa pela cabeça daquele ser que sai desse mundo deixando pegadas profundas na areia. É o caso de Jobs e eu, como todos, curioso, decidi pesquisar um pouco mais sobre sua vida. Por militar na área de TI eu já conhecia razoavelmente a história do Steve. Mesmo assim, o que descobri em alguns dias de pesquisa impressionou muito. Gostaria de compartilhar com vocês algumas migalhas sobre a fascinante história do Steve Jobs.

Steven Jobs nasceu em 1955 na Califórnia. Quieto e introspectivo, conseguiu um emprego na HP no começo da década de 70. Foi lá que ele conheceu Steve Wozniak, um “crânio” da informática na época. Juntos eles começaram a desenvolver o Apple I no quarto de Jobs. Já o protótipo foi feito na garagem. Esse cara da foto abaixo é o Steve Jobs em sua garagem!

Para começar a Apple, em 1976, Jobs e Wozniak venderam dois dos seus mais preciosos pertences: um micro-ônibus da Volkswagen de Jobs e uma calculadora científica HP de Wozniak. A primeira revolução foi essa: reduzir o tamanho dos computadores. O Apple I foi extremamente bem recebido por seu novo conceito.

Em três anos, Jobs conseguiu contatos, confiança, trouxe pessoas experientes de outras empresas para a diretoria da Apple e conseguiu um crescimento de 700%. As ações da empresa passaram a ser valorizadas e novos projetos foram tocados. Em 1986, nova revolução. A Apple anuncia o Macintosh, o primeiro computador com interface gráfica de sucesso.

Porém, incoerências de sistemas e falhas de desenvolvimento prejudicaram a imagem da empresa. Para evitar a falência, foi iniciado o projeto do Macintosh no mesmo estilo “garagem” que marcou o começo da empresa. Dentro da Apple, Jobs foi gradativamente sendo afastado das decisões da empresa. Sentindo que não podia executar nada na Apple, Jobs vendeu sua parte do negócio, arrecadou cerda de US$ 20 milhões e, abatido, viajou pela Europa, onde decidiu abrir uma nova empresa, a NextStep. Primeiro, focou em hardware, mas depois virou sua atenção para software e, com o sucesso de seus sistemas, recebeu uma proposta de compra da NextStep por parte da Apple. O negócio foi finalizado em 1996. Jobs conseguiu voltar ao topo da empresa dois anos depois.

Desde então, os produtos da Apple são marcados por designs inovadores. Recentemente, a Apple voltou suas atenções para aplicativos digitais. Veio o Ipod, tocador de músicas portátil; o iTunes, tocador de mídia e gerenciador de iPods; e a loja virtual para aquisição de MP3, a iTunes Store. Em 2007, a Apple embarcou no mercado de telefonia móvel com o iPhone. O resto é história recente, que todos nós conhecemos.

Depois de tratar seu câncer em 2004, no ano seguinte Steve ressurge revigorado e amadurecido pela experiência traumática proporcionada pela doença. Nessa ocasião ele é convidado para paraninfar uma turma de formandos de Stanford.  Nessa ocasião ele profere um discurso histórico, que até hoje bomba no Youtube. Confira um dos trechos mais interessantes desse discurso:

“Eu não percebi isso na época, mas ter sido demitido da Apple foi a melhor coisa que poderia ter acontecido comigo. O peso de ser bem-sucedido foi substituído pela leveza de ser um iniciante novamente, com menos certezas à respeito de tudo. Isso me libertou para entrar em um dos períodos mais criativos da minha vida.

Durante os 5 anos seguintes, iniciei uma companhia chamada NeXT e outra chamada Pixar, e me apaixonei por uma mulher incrível, que se tornou minha esposa. A Pixar foi em frente e criou o primeiro filme de animação computadorizada do mundo, “Toy Story”, e hoje é o estúdio de animação mais bem-sucedido do mundo. Em uma reviravolta extraordinária, a Apple comprou a NeXT.

Eu voltei para a Apple, e a tecnologia que desenvolvemos na NeXT está no coração do atual renascimento da Apple. E Laurence e eu temos uma família maravilhosa juntos.

Tenho certeza que nada disso teria acontecido se eu não tivesse sido demitido da Apple. Foi um remédio amargo, mas eu acho que o paciente aqui precisava. Algumas vezes a vida atinge você com um tijolo na cabeça. Não perca a fé. Eu estou convencido que a única coisa que me manteve indo em frente foi o amor pelo que fazia. Você precisa encontrar o que ama. E isso é verdade não só para o seu trabalho, mas para os seus relacionamentos também.

O seu trabalho irá preencher uma grande parte da sua vida, e a única maneira de se sentir verdadeiramente satisfeito é fazer aquilo que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um ótimo trabalho, é amando o que faz. Se você ainda não encontrou, continue procurando.

Não se acomode. Assim é com todos os assuntos do coração, você reconhecerá quando encontrar. E, da mesma forma que em qualquer grande relacionamento, vai ficando melhor e melhor conforme os anos passam. Portanto, continue procurando até encontrar. Não se acomode.”

Num outro trecho ele fala sobre sua experiência de conviver de perto com morte:

“Se você viver cada dia como se fosse o último, um dia ele realmente será o último.

Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo — expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha, ou falhar — caem diante da morte, deixando apenas o que é importante. Não há razão para não seguir o seu coração.

Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração. 

Há um ano, eu fui diagnosticado com câncer. Eram 7h30 da manhã e eu tinha uma imagem que mostrava claramente um tumor no pâncreas. Eu nem sabia o que era um pâncreas.

Os médicos me disseram que aquilo era certamente um tipo de câncer incurável, e que eu não deveria esperar viver mais de três a seis semanas. Meu médico me aconselhou a ir para casa e arrumar minhas coisas — que é o código dos médicos para “preparar para morrer”. Significa tentar dizer às suas crianças em alguns meses tudo aquilo que você pensou dizer nos próximos 10 anos. Significa dizer seu adeus.

Eu vivi com aquele diagnóstico o dia inteiro. Depois, à tarde, eu fiz uma biópsia, em que eles enfiaram um endoscópio pela minha garganta abaixo, através do meu estômago e pelos intestinos. Colocaram uma agulha no meu pâncreas e tiraram algumas células do tumor. Eu estava sedado, mas minha mulher, que estava lá, contou que quando os médicos viram as células em um microscópio, começaram a chorar. Era uma forma muito rara de câncer pancreático que podia ser curada com cirurgia. Eu operei e estou bem.

Isso foi o mais perto que eu estive de encarar a morte e eu espero que seja o mais perto que eu fique pelas próximas décadas. Tendo passado por isso, posso agora dizer a vocês, com um pouco mais de certeza do que quando a morte era um conceito apenas abstrato: ninguém quer morrer. Até mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para chegar lá.

Ainda assim, a morte é o destino que todos nós compartilhamos. Ninguém nunca conseguiu escapar. E assim é como deve ser, porque a morte é muito provavelmente a principal invenção da vida. É o agente de mudança da vida. Ela limpa o velho para abrir caminho para o novo. Nesse momento, o novo é você. Mas algum dia, não muito distante, você gradualmente se tornará um velho e será varrido. Desculpa ser tão dramático, mas isso é a verdade.

O seu tempo é limitado, então não o gaste vivendo a vida de um outro alguém.”

Esse discurso é o mais espetacular que eu já ouvi em toda a minha vida. Vale a pena gastar um tempinho e ouvi-lo inteirinho.

Aliás, Steve Jobs é um comunicador espetacular. Ninguém o supera. Ele envolve e mexe com a emoção de seus ouvintes. Algumas pessoas percorrem grandes distâncias para assistir essas palestras. Passam noites em longas filas para garantir os melhores lugares no auditório. Boa parte do sucesso da Apple se deve não apenas ao talento criativo de Jobs, mas também à sua incomparável capacidade de comunicação. Em um artigo do jornal Los Angeles Times sobre a licença médica de Jobs, Michael Hiltzik escreveu:

“Nenhum presidente está mais intimamente identificado com o sucesso da sua empresa. Jobs é o visionário e o pregoeiro da Apple. Se você quiser uma amostra desta verdade, assista ao vídeo do evento de lançamento do iPod em Outubro de 2001. O domínio expressivo de Jobs é incrível. Vendo o evento no Youtube, de novo recentemente, eu fiquei atônito mais uma vez. Jobs é o Tiger Woods do setor.”

Assista ao Steve vendendo o iPod para um público que não sabia distinguir a geringonça de um sorvete de palito…

E Jobs não para de nos surpreender. Quando após o iPod, iPhone e iPad a gente acha que ele não tem mais coelhos na cartola, lá vem novas e ainda mais interessantes ideias. Recentemente, Steve Jobs apresentou ao mundo o iCloud, um serviço que guarda documentos na nuvem (termo usado em tecnologia para designar serviços que rodam em servidores remotos, e não no computador do usuário). O iCloud será usado para fazer backup de contatos, documentos de texto, planilhas, fotos e músicas.

Além de guardar cópias de segurança, o iCloud sincronizará informações editadas pelos usuários entre aparelhos de sua propriedade. Assim, uma atualização de agenda feita no iPhone, por exemplo, será refletida em outros equipamentos (computadores, iPads) do usuário. O serviço é “grátis” e chega nos próximos três meses, junto com a nova versão do iOS (sistema usado em iPhones, iPads e iPods Touch). O serviço oferecerá 5 GB de espaço grátis para backup de e-mail e documentos. Um dos destaques do iCloud é sua integração com a iTunes, loja de músicas e vídeos da Apple. Todas as músicas e vídeos comprados no iTunes poderão ser transferidos diretamente para outros aparelhos do usuário. Um álbum comprado no iPhone, por exemplo, poderá ser baixado novamente no iPad, sem a necessidade de passar por um computador.

Genial! Mais um gol de placa desse cracaço da tecnologia.

E tem muito mais coisas pra você descobrir sobre o Steve Jobs na Internet, em artigos e livros sobre ele. Em 2008, Leander Keahney lançou o livro “A cabeça de Steve Jobs”. Considerado um líder notável na indústria de TI, Jobs também é dono de um temperamento difícil. Seus acessos de raiva já se tornaram lenda no setor. O jornalista e escritor Leander Keahney acompanha há anos a carreira de Jobs e em seu livro nos mostra o homem por trás da figura pública: um poço de contradições.

Reproduzo aqui um trechinho da introdução do livro, que nos ilustra o quanto esse gênio criativo e mago das comunicações, é também obsessivo pelos detalhes:

“Steve Jobs passa quase tanto tempo pensando nas embalagens de papelão de seus gadgets quanto nos próprios produtos. Não é uma questão de gosto ou de elegância — embora isso também faça parte. Para Jobs, o ato de tirar um produto de sua caixa é uma parte importante da experiência do usuário e, como tudo o mais que ele faz, é pensado com muito cuidado.

Jobs vê a embalagem como uma ajuda para apresentar uma tecnologia nova e desconhecida aos consumidores. Por exemplo, o Mac original, lançado em 1984. Naquela época, ninguém jamais havia visto algo semelhante. Era controlado por aquela coisa estranha que apontava — um mouse — e não por um teclado, como os PCs antes dele. Para familiarizar os novos usuários com o mouse. Jobs fez questão de que ele fosse embalado separadamente, em um compartimento próprio. O fato de forçar o usuário a desempacotar o mouse — a pegá-lo e conectá-lo — iria torná-lo um pouco menos estranho quando tivesse que usá-lo pela primeira vez. Até hoje. Jobs vem planejando cuidadosamente esta “rotina de desempacotamento” para cada um dos produtos da Apple. “

Clique neste link e leia mais sobre o Steve no livro do Keahney.

E como parece que meu ídolo está mesmo próximo de seu fim, ou quem sabe de seu recomeço, encerro este post com sua frase que mais me impactou:

“Se hoje fosse o último dia de minha vida, queria fazer o que vou fazer hoje.”

Anúncios

18 comentários em “Steve Jobs, esse famoso desconhecido”

  1. Augusto, tudo e todos tem fim… Mas este deixará a sensação que desta vez será diferente. As transformações geradas por ele na relação com o cliente, o foco no detalhe, na entrega, na execução e na qualidade transformaram não apenas a indústria de tecnologia. E, na minha opinião, com um impacto maior do que aquele gerado pela revolução dos primeiros Apple.

  2. Augusto, homens como Steve Jobs são aqueles que dão mais sentido em nossas vidas e as fazem mais saborosas e crer que só Deus pode criar um ser capaz de tantas realizações maravilhosas e tornar melhores os momentos de tantas pessoas que o admiram. Obrigado a você, e espero que Deus cuide de Jobs sempre…Um abraço. Pedro.

  3. Muito triste, meu pai passou por isso e deixa a pessoa muito debilitada.
    Corta o coração ver a pessoa que você ama definhar diante de nossos olhos sem que nada possamos fazer pelo ente querido, a não ser pedir a Deus que tenha compaixão pela sua alma.

  4. cara vc teve um vislumbre heim… escreveu esse artigo no dia 04, e no dia de hoje 05/10/11… recebemos a noticia da morte de JOBS… parece até que vc estava se despedindo desse GÊNIO… muito bom o artigo. Uma dica para quem não conhece é o filme de certa forma controverso, mas vale a pena conferir: “PIRATAS DO VALE DO SILÍCIO”. ASS: Paulo Furniel.

    1. Paulo, obrigado por suas palavras. Também curto “Os Piratas do vale do Silício”. É um filme B, meio cult, difícil de achar. Quem não viu veja. Vale a pena, pois conta mais do que a história do Steve, conta a história da moderna indústria de TI, de uma forma muito cool.

  5. Obrigada Steve por ter sido um jovem tão perseverante e capaz de superar dificuldades pessoais e profissionais. Fique com Deus.

  6. muito bom gostei muito…o artigo nos retrata uma longa parte da vida de stive jobs…vida batalhadora… e stive continue sempre assim inovando suas criatividades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s