Cadernos de Viagem (2/4) – Ilhas Gregas

Visitando as Ilhas Gregas, “sem pagar Mykonos”

Viajar para as Ilhas Gregas (arquipélago das ilhas Cyclades) é o sonho de consumo de 11 em cada 10 turistas, e eu não era exceção. Acabo de voltar de uma viagem de uma semana pelas ilhas, sendo três dias em Mykonos e três em Santorini (sem dúvida, as melhores ilhas do arquipélago). Será que as Ilhas Gregas são tudo isso que a gente imagina? Sim e não.

Olhando os prós, como paisagem sem dúvida as Ilhas Gregas são de tirar o fôlego. O Mar Egeu é de um azul profundo e indescritível. A paisagem do mar vista do alto (principalmente em Santorini, onde as aldeias ficam “encarapitadas” nas montanhas) não tem igual. Por outro lado, o desfrute é apenas contemplativo, já que (quase) não existem praias e o mar é gelado. A arquitetura das vilas é comovente, o por do sol sobre o mar é único, o comércio e os restaurantes são bem legais, mas, no computo geral, o arquipélago de Angra dos Reis e as praias do Nordeste do Brasil dão pau! Sorry para os mais sofisticados.

Indo passo a passo, comecemos por Atenas. Planeje ficar duas noites e um dia inteiro. Atenas é fascinante no primeiro dia e imagino que seja um saco no segundo. Faço a restrição que eu não sou ligado em museus. Pra quem curte sempre dá para passar dias estudando a história grega.

Em Atenas ficamos no Hotel Grand Bretagne (no coração da cidade, bem em frente ao prédio do parlamento), uma espécie de Copacabana Palace, com 106 anos de vida, charmoso, cheio de cantinhos incríveis, um bar espetacular e uma vista da Acrópole maravilhosa. O restaurante do hotel fica na cobertura, com um baita terraço. Você toma café da manhã, ao ar livre, olhando a Acrópole. Alem do café ser muito bom, com frutas diversas e muitos queijos gregos pra degustar, a vista da cidade e da Acrópole é linda. O hotel também tem um belíssimo spa e os quartos são espaçosos e confortáveis. O serviço é nota 10.

Jantamos em dois restaurantes, o Daphne, aos pés da Acrópole (dá pra notar que esta é a referencia padrão para qualquer coisa em Atenas), e o Licabettus, no alto de uma montanha (onde se sobe por teleférico), olhando a cidade iluminada (e, claro, a Acrópole) lá em baixo. Os dois são muito bons, cada um a seu modo. O Daphne tem um ambiente informal e delicioso, bem grego, onde se come sob uma parreira. A comida é grega típica e a moussaka (uma espécie de lasagna de beringela) foi a melhor que comemos em toda a Grécia (minha mulher experimentou várias vezes). O Licabettus tem a melhor vista da cidade. Quando eu perguntei ao conciérge sobre a comida, a resposta foi: tem a melhor vista da cidade… Mesmo assim, vale (muito) a pena.

Outro programa imperdível em Atenas é visitar a Acrópole pela manhã, emendando com uma visita ao novo museu (da Acrópole) a seus pés. A arquitetura é fantástica, o conteúdo provavelmente o melhor que se pode ver em Atenas e, mais importante de tudo, é bem organizadinho sendo possível fazer uma visita eficiente em uma hora. Ou seja, mesmo quem não gosta de museu deve conferir.

Em continuação à visita ao museu, estique até Plaka, o centro velho de Atenas. Nas suas ruelas estreitas e sem automóveis, há sempre muita gente, visitando as lojas de souvenirs, sempre abertas, independentemente do dia semana. O bairro também oferece muitas tabernas, pizzarias e restaurantes de comida rápida. Se você quiser comprar calças e camisas largas, de algodão puro, na linha Zorba o Grego, para usar nas ilhas, então Plaka é o lugar. Feito esse roteiro, então Atenas será “matéria dada”.

De Atenas viajamos de hidrofoil (um barco muito rápido, movido a turbinas, que parece um avião… tem inclusive classe executiva) para Mykonos. Atenção: Mykonos tem algumas praias, ainda que muito longe daquilo que vemos por aqui. Se você não quiser perder tempo vá direto para a sofisticada praianha de Psarou. Só dá pra usar a praia se você aceitar pagar pelo guarda-sol, toalhas e serviço de praia (ótimo). Em frente fica o restaurante Namos, que serve aos guarda-sóis. Peça club sandwiches, tempura de camarão e sushis são barbadas. Apesar da água fria, a praia é uma enseadinha maravilhosa para se nadar. O almoço tardio no Namos é mandatório. Outra praia legal, pra dar uma conferidinha num final de tarde, é a Super Paradise, totalmente GLS, musica bombando dia e noite, com cenas ótimas pra se divertir contemplativamente (ou não, depende de você). Vale uma espiada, com todo respeito à bicharada e à sapataria.

Em Mykonos, carro alugado é obrigatório, caso contrario você não vai conhecer a ilha. Esqueça os scooters, que são “Mykonos”. As estradas são de montanha, calor insuportável, são movimentadas e não tem nada mais incomodo do que, sem prática nenhuma, dirigir um scooter com um caminhão grudado na sua bunda. As praias são distantes e muitos dos restaurantes ficam nelas. Não existem táxis na ilha (Mykonos tem 31 táxis).

Pra se divertir à noite em Mykonos não perca tempo; vá direto para a Matogiani Street. São ruelas estreitas, onde vale a pena se perder. Em cada canto você vai descobrir uma lojinha descolada, um restaurantezinho no fundo de um jardim, barzinhos e todas as baladas da ilha (pra garotada, o bicho pega depois das 23 horas). Por do sol é no Little Venice, tomando um vinho branco grego e vendo um por sol sobre o mar. Little Venice fica no fim da Matogiani, assim que do por do sol você pode emendar para as compras, jantar e balada. Lugares para jantar, todos na região da Matogiani: Interni e Philppi. Nosso hotel em Mykonos, o Cavotagoo,  não foi bom (lindo, mas serviço ruim; não recomendo).

De Mykonos seguimos para Santorini, também de hidrofoil. Santorini tem duas cidadezinhas, pouco mais que vilarejos, Oia (pronunica-se Ia) e Fira. O lugar para ficar é Oia, aquela aldeiazinha branca mostrada numa das últimas novelas da Globo (lembra do Tony Ramos de grego?). A ilha é vulcânica e as cidadezinhas ficam lá muito no alto, com o mar azul embaixo. Os transatlânticos lá embaixo parecem barquinhos de brinquedo. Em Oia ficamos no hotel Katikies (ou como brincávamos, “Hotel Beijo de Gato”), simplesmente o melhor hotel que já fiquei em toda a minha vida. O hotel é um labirinto de casinhas brancas, espalhadas por caminhos estreitos, onde se misturam as suítes, o spa, a piscina e o bar. Maravilhoso, com uma vista que a gente não cansa de olhar e um serviço primoroso. Tivemos oportunidade de fazer uma degustação de vinhos brancos gregos, ao ar livre, ao por do sol, organizada pelo hotel (só para mim e meu genro), que foi algo inacreditável!

Em Oia existem dois restaurantes imperdíveis. Para jantar tente o restaurante gourmet 1800, no calçadão. Peca risotto de peixe com chouriço e escolha um bom vinho grego (a adega é ótima e a somellier sabe tudo de vinhos gregos). Para almoçar vá à Sunset Tavern, no pé da escadaria que leva à praia (modo de dizer). Coma qualquer grelhado: Red Snapper de papo amarelo, lagosta, ou polvo. Você escolhe, ainda vivos, os pescados do dia. É de babar de bom!

Um programa imperdível em Santorini é uma volta de barco pela ilha (cerca de 5 horas). Você pode optar por fretar um catamarã, com direito a churrasco com vinho e cerveja à bordo, ou fazer um simples passeio de escuna, mas não dá para perder. Esse é o melhor programa da ilha. Durante o passeio você vai ter oportunidade de nadar nas águas azuis e profundas da ilha, inclusive sobre um vulcão submerso, onde as águas são (ligeiramente) aquecidas. Reserve uma tarde para dar um passeiozinho (vá de taxi) até Fira, um pouco maior que Oia, um comércio pujante, bons restaurantes, mas sem um décimo do charme de Oia. Ah, como sempre, nas ilhas o por do sol é um programa mandatório. No caso de Santorini, o point é em Oia, no fim do calçadão, bem aos pés da escadaria (aquela que vai pra praia).

E é basicamente isso. Se o tempo ajudar (as primaveras são quentes de dia, com céu de brigadeiro, e frias nas noites estreladas), você fará uma viagem inesquecível.

Anúncios

Uma consideração sobre “Cadernos de Viagem (2/4) – Ilhas Gregas”

  1. Acredite se quiser, ainda não fomos até as Ilhas Gregas e olha que era uma das minhas prioridades quando viemos para Europa. Uma hora dá certo e já vou guardar esse post com as dicas! Besitos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s